Data: 15/10/2021 20:02 / Autor: Redação / Fonte: Itaú Cultural

Show on-line ao vivo de Anelis Assumpção e atos afro-indígenas no Itaú Cultural

Parceira da 3ª edição do festival de Teatro Negro de São Paulo que celebra a atriz Dona Ruth, a instituição abre a atividade com cinco dias de música e muita arte


Crédito: Divulgação

De 20 a 24 de outubro (quarta-feira a domingo), o Itaú Cultural realiza a programação de abertura de Dona Ruth: Festival Negro de Teatro de São Paulo. O evento chega à 3ª edição neste ano em que se comemora o centenário de nascimento de Ruth de Souza (1921-2019), pioneira no teatro, cinema e televisão como a primeira artista negra a conquistar projeção na dramaturgia brasileira.

Começa às 20h da quarta-feira, dia 20, com a transmissão pelo YouTube da instituição www.youtube.com/itaucultural, do show Itamares, realizado ao vivo pela cantora e compositora Anelis Assumpção no palco da Sala Itaú Cultural. A apresentação é antecedida pela performance audiovisual, pré-gravada, Centelhas de Ruth de Souza, na qual a poeta Luz Ribeiro reverencia o legado da atriz.

Nos quatro dias seguintes, a programação segue on-line, também às 20h – com exceção do domingo às 19h – na edição do Palco Virtual do Itaú Cultural integralmente voltada ao festival e realizada via Zoom. Com artistas de diferentes regiões do país, é apresentada a ação Ato Artístico, com seis criações cênicas audiovisuais de artistas indígenas e negros do Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Minas Gerais, Pernambuco e Rio Grande do Sul, revelando formas não-hegemônicas de olhar para o mundo.

Todas as noites são encerradas com Giras de Conversa, em conversas com convidados sobre as apresentações. Os ingressos são gratuitos e devem ser reservados via Sympla. Mais informações: www.itaucultural.org.br

“Os festivais são espaços pulsantes de encontro e comunhão, extremamente atravessados pela necessidade do distanciamento social, da convivência em modo remoto. Nesse sentido, celebramos ainda mais esta edição do festival Dona Ruth e seus cruzos de linguagens, territórios e ancestralidades”, diz Galiana Brasil, gerente de Artes Cênicas do Itaú Cultural. “A curadoria fez emergir as potencialidades da vivência digital, especialmente na diluição de fronteira. Estamos muito felizes pela parceria sinérgica e inspiradora”, complementa.

Segundo o dramaturgo, ator, diretor e produtor Gabriel Cândido, idealizador do festival ao lado da atriz e produtora cultural Ellen de Paula, nesta edição foram evidenciadas complexidades estéticas e poéticas de autoria negra e indígena em dimensão nacional. “Vai ser possível observar diversas formas de linguagem das artes cênicas com o audiovisual, em um momento decisivo de transição das criações online e presenciais”, conta ele.




“A encruzilhada política, poética e afetiva que evocamos nesta edição é um ato de guerra e festa pela reinvenção da vida, sobretudo, neste momento em que são atualizadas e intensificadas as políticas de morte contra os corpos das maiorias minorizadas”, complementa Ellen.

Comente aqui