Data: 30/11/2021 19:53 / Autor: Redação / Fonte: Unidos pela Vida

Desafio esportivo em prol da conscientização sobre a fibrose cística vai além da meta

Objetivo era alcançar 40.075 km, mas 317 pessoas de sete países percorreram 42.325 km em três meses e meio


Crédito: Divulgação

O Desafio Volta ao Mundo pela Fibrose Cística não só bateu a meta de quilometragem, que era de 40.075, chegando aos 42.325 km, como alcançou objetivos que vão além dos números. A iniciativa deu visibilidade à fibrose cística, uma doença rara e ainda sem cura, e impulsionou mais de 300 pessoas em sete países a praticarem alguma atividade física.

“Muitos começaram por conta do desafio, outros eram atletas experientes que por conta da pandemia estavam um pouco desanimados e voltaram a treinar para participar do Volta. O desafio foi um impulso que moveu muita gente e vai continuar impulsionando por muito tempo”, explica Cristiano Silveira, coordenador da Equipe de Fibra, projeto do Instituto Unidos pela Vida, que promoveu a iniciativa.

Participaram do desafio pessoas com fibrose cística e seus familiares, amigos, profissionais da área da saúde e o público em geral. Uma pessoa chamou a atenção pela sua força de vontade. Kassiano Knack nasceu com a doença e aos 17 anos fez um transplante pulmonar. Dois anos depois, ele conquista o segundo lugar no ranking geral de corrida da Volta ao Mundo.

“Nós nascemos sem saber andar, com o tempo aprendemos a engatinhar, depois aprendemos a caminhar, e quando vemos já conseguimos correr... A vida é assim, você não começa correndo, levantando pesos pesados, andando de bicicleta sem rodinhas, você começa do início, com alguns minutos e vai evoluindo. No começo é difícil, mas depois que se torna um hábito, o difícil é parar porque você percebe os benefícios não só no seu corpo, mas também na sua alma. E os seus pulmões agradecem. Muitas vezes é preciso fazer mesmo sem vontade, pois a verdade é que você nunca vai se arrepender de ter feito”, incentiva Knack, que pretende continuar com seus treinos diariamente.

Comente aqui