Data: 10/09/2021 13:53 / Autor: Redação / Fonte: Vesta

Fraudes eletrônicas nas telecomunicações: um crescente desafio na América Latina

O custo anual da fraude de identidade no setor de telecomunicações é de mais de US$ 32 bilhões


Fraudes eletrônicas nas telecomunicações: um crescente desafio na América Latina
Fraudes eletrônicas nas telecomunicações: um crescente desafio na América Latina

Crédito: Divulgação

A evolução dos métodos e recursos da fraude eletrônica atinge todos os setores de negócios que desenvolvem seus negócios nos canais digitais, e as empresas de telecomunicações não são exceção. Na verdade, é um setor que, devido ao seu crescimento acelerado, está sujeito a diversos e cada vez mais complexos tipos de fraudes em todo o mundo.

No Brasil, os ataques cibernéticos à empresas aumentaram 221% apenas no primeiro semestre de 2021 e 860% desde que começou a pandemia, em março de 2020. Governo, varejo e saúde são as empresas mais afetadas por tais ataques. 

Segundo a Vesta, a plataforma de garantia de transações ponta a ponta para compras online, o número de assinantes de telefonia móvel na América Latina chegará a 484 milhões em 2025, o que representa 73% da população total. Como resultado, torna-se cada vez mais provável que muitas empresas de telecomunicações existentes e emergentes sejam alvo de golpistas e fraudes eletrônicas

Alguns dos maiores problemas que uma empresa de telefonia móvel enfrenta são: 1) baixas taxas de aprovação, 2) atrito e perda do cliente, 3) incapacidade de aceitar métodos de pagamento alternativos e 4) altas taxas de fraude. Ao experimentar baixas taxas de aprovação (menos de 70%) em produtos pré-pagos e pós-pagos, as operadoras devem buscar uma solução abrangente que lhes permita, ao mesmo tempo, combater a fraude e aumentar suas taxas de aprovação e receita.

Oscar Bello, diretor-geral da Vesta Americas, destaca que “os provedores de telecomunicações estão sendo cada vez mais atingidos por redes fraudulentas, bem como por clientes 'legítimos', o que afeta diretamente as receitas devido a falsas rejeições e estornos. Existe uma ‘batalha’ constante entre os setores de uma empresa de telecomunicações que procuram, por um lado, potenciar as vendas e a experiência do cliente e, por outro, cessar os ataques e os modelos de fraude. Isso se aplica ao recarregamento de crédito pré-pago, ao pagamento de contas, às atualizações de produtos ou telefones e às ofertas de combos (celular, fixo, TV e banda larga) para clientes”.

Os tipos de fraude mais comuns incluem:

- Fraude de cartão não apresenta pagamento (CNP), incluindo acesso à carteira digital armazenada no dispositivo.

- Fraude de troca de microchip, levando a fraude de sequestro de conta.

- Fraude de Compartilhamento de Renda Internacional (IRSF), que tem o ladrão usando números de telefone com tarifa premium para induzir as vítimas a ligar para eles, gerando renda para o golpista. Por exemplo, ele liga para a vítima e ela desliga ao primeiro toque, convidando a vítima a ligar de volta.

Globalmente, o custo anual da fraude de identidade no setor de telecomunicações é de mais de 32 bilhões de dólares. Apesar de a fraude neste setor ter crescido 37% nos últimos 3 anos, apenas 6% das empresas que o integram utilizam inteligência artificial ou recursos de aprendizagem automática para se protegerem.

A Vesta colabora com as maiores operadoras de telefonia móvel do mundo para fornecer experiências eficientes de recarga por meio da aplicação de inteligência artificial e tecnologias de aprendizado de máquina que detectam fraudes e maximizam as taxas de aceitação de cartão de crédito internacional.

Por meio das soluções abrangentes da empresa no combate à fraude contra empresas de telecomunicações na América Latina, foram alcançadas taxas de aprovação de 96% para produtos pós-pagos e 88% para pré-pagos, além de uma economia acumulada de mais de 100 milhões de dólares em favor dos diferentes empresas de telecomunicação.


Comente aqui