Data: 23/10/2020 17:17 / Autor: Keila Macedo / Fonte: Secom Diadema

Prefeito Lauro Michels e Sabesp vistoriam obra que ampliará o tratamento de esgoto

Implantação do Coletor-Tronco Couros vai levar mais qualidade de vida para a população e melhorar as condições ambientais do município


Prefeito Lauro Michels e Sabesp vistoriam obra que ampliará o tratamento de esgoto em Diadema
Prefeito Lauro Michels e Sabesp vistoriam obra que ampliará o tratamento de esgoto em Diadema

Crédito: Thiago Benedetti

O Prefeito Lauro Michels e a Sabesp vistoriaram nesta sexta-feira (23/10), em Diadema as obras de implantação do Coletor-Tronco Couros, a tubulação de grande porte construída próxima ao ribeirão dos Couros para ampliar o tratamento de esgoto do município, favorecendo as condições ambientais do curso d’água e contribuindo diretamente com a qualidade de vida da população.

O empreendimento faz parte do Pró-Billings, programa da Companhia para despoluição da represa, e vai se somar às demais obras e ações executadas para melhorar o sistema de esgotamento sanitário da cidade. A obra também contribui para a despoluição do rio Tietê, beneficiando toda a Região Metropolitana de São Paulo.

A conclusão do coletor-tronco vai elevar o índice de tratamento de esgoto de Diadema para 87% a partir do segundo semestre de 2021, marcando mais um avanço desde que a Sabesp assumiu a operação do saneamento no município, em março de 2014. Com obras e interligações na rede, além da execução de 16,1 mil ligações de esgoto (1.320 delas em áreas de baixa renda) e da eliminação de lançamentos em rios e córregos, a Companhia já fez esse índice subir de 15% para 54% em seis anos e agora investe no CT Couros para aumentar em 33 pontos percentuais o índice de esgoto tratado.

“Saneamento Básico também é saúde pública. Estas obras vão beneficiar mais de 130 mil famílias que moram nos bairros Promissão, Casa Grande, Portinari e Jardim Marilene”, comentou o prefeito Lauro Michels.

ABASTECIMENTO

Além de trabalhar para a melhoria do esgotamento sanitário de Diadema, a Sabesp também investiu no reforço e ampliação do abastecimento dos 420 mil moradores do município. A primeira grande obra após assumir os serviços foi a travessia sobre o córrego Capela da adutora de 800 milímetros de diâmetro do Reservatório Nações para o Real, permitindo a regularização do abastecimento. A duplicação da capacidade do reservatório Inamar foi outra grande realização para melhorar a distribuição de água, bem como a execução de 21,5 mil novas ligações de água. Desse total, 2.650 ligações foram regularizadas em núcleos de baixa renda, trabalho feito em parceria com a Prefeitura de Diadema.

Com o programa de redução de perdas, a Sabesp ainda diminuiu em 27% o número de vazamentos, gerando uma economia de 1,5 bilhão de litros de água. Esse volume é suficiente para abastecer metade do município de Diadema por um mês. Essas ações permitiram regularizar o abastecimento para a população de toda a cidade, que sofria frequentemente com a falta de água, principalmente no verão. O resultado foi a redução no número de reclamações por falta d’água na cidade de 2.788 na média mensal, quando do início da operação da Sabesp, para 193 atualmente. 

As obras e ações previstas no plano de investimentos de R$ 529 milhões nos 30 anos do contrato farão com que Diadema se torne um município universalizado, com abastecimento de água, coleta e tratamento de esgoto garantidos para os moradores das áreas regulares.

LIXO

Em junho de 2020, a Sabesp e a Prefeitura de Diadema assinaram um acordo para a prestação de serviços de tratamento e destinação final do lixo no município, por um prazo de 40 anos. Em vez de ser levado para os aterros, como acontece atualmente, o lixo terá como destino uma planta industrial de tratamento de resíduos, onde será feita a separação de materiais recicláveis, transformando o lixo orgânico em combustível derivado de resíduo (chamado CDR). A parte reciclável, por sua vez, será destinada a uma Central de Triagem e aproveitada por cooperativas de catadores de lixo.

O produto, CDR, poderá ser comercializado para abastecimento de fornos industriais ou ser destinado para a geração de energia elétrica. Neste caso, a capacidade de geração é de até 140 GWh/ano, suficientes para atender uma cidade 270 mil habitantes. A transformação em energia reduz a produção de chorume e a emissão de metano, o que está alinhado com as práticas de economia circular e a política de aterro mínimo do Governo de São Paulo.

Para Diadema, o tratamento do lixo diminui o volume de material e vai poupar os aterros sanitários, gerando impacto positivo para o meio ambiente e para os cofres públicos, já que a manutenção e criação desses locais são um dos principais desafios das cidades em relação às questões ambientais. A previsão é que o projeto entre em operação a partir de dezembro de 2022.

Comente aqui