Data: 17/09/2021 14:16 / Autor: Redação / Fonte: PMETRP

Psicólogo de Ribeirão Pires relaciona o bullying e redes sociais ao suicídio

Julgamento pode levar à depressão, ansiedade e até síndrome do pânico; mês de setembro é dedicado a prevenção ao suicídio


Valdir Cézar é psicólogo da saúde mental de Ribeirão Pires
Valdir Cézar é psicólogo da saúde mental de Ribeirão Pires

Crédito: PMETRP

Recentemente, viralizou nas redes sociais o seguinte questionamento: “E fora dos stories, como você está?” Chamando a atenção para a saúde mental das pessoas. Os jovens, em sua maioria dos 15 aos 24 anos, mais presentes nas redes sociais, foi o público que compartilhou a pergunta diversas vezes e até com algumas respostas. Justamente essa faixa-etária mais nova também recebeu o chamado “bullying”, julgamento que, segundo o psicólogo do CAPS de Ribeirão Pires, Valdir Cézar, pode levar a pessoa a cometer um ato contra a própria vida.

“A rede social é inversamente proporcional à realidade. Se a pessoa passa muito tempo postando que está feliz é que talvez nem ela mesma acredite nisso. E fingir que está tudo muito bem pode gerar sintomas de depressão, ansiedade e uma síndrome do pânico que, futuramente, pode ocasionar um atentado contra a vida”, salientou o psicólogo.

Ainda segundo ele, o Bullying atrelado a rede social, pode trazer consequências contrárias do que é esperado pelo jovem. “O que vemos na rede social é uma tentativa de aceitação e promoção que nem sempre tem o efeito desejado. É diferente ser julgado por três pessoas e de repente por milhões de pessoas. Esse jovem, ao sair de casa, vai achar que todas as pessoas ao seu redor estão o julgando e assim vai entrar em parafuso: Não vai querer sair, ir na rua, ir a escola ou namorar, não vai querer fazer mais nada”, explica Valdir.

Por estar em construção de sua personalidade, o jovem não sabe como lidar com o bullying e vive num paradoxo. “A sociedade fala para se destacar e para se destacar precisa ser diferente, mas, se você é diferente sofre bullying, então precisa ser igual a todo mundo. E aí? Se o adulto não sabe lidar com a situação, imagina os adolescentes”, questiona Valdir. 

Segundo a Associação Brasileira de Psiquiatria, o suicídio em jovens é a terceira principal causa de morte desta faixa-etária no país. Os comportamentos suicidas envolvem motivações incluindo a depressão, humor, abuso de substâncias e problemas emocionais, familiares e sociais.  Neste mês de setembro, a saúde realiza ações de prevenção ao suicídio.

A Prefeitura de Ribeirão Pires possui o programa de Apoio Psicossocial Escolar, para auxílio dos alunos da rede municipal de ensino, que por ventura necessita de suporte, e   desempenha três Centros de Atenção Psicossocial para auxílio às pessoas que necessitem de atendimento relacionado à saúde mental. São eles:

CAPS AD - Álcool e Drogas

De segunda a sexta-feira, das 8h às 17h

Rua Domingos Benzenuto, 12 - Centro

Telefone: (11) 4827-4509

Centro de Atenção Psicossocial Infantil

De segunda a sexta-feira, das 8h às 17h

Avenida Fortuna, 320 - Centro

Telefone: (11) 4828-1511

Centro de Atenção Psicossocial II - Adulto

De segunda a sexta-feira, das 8h às 17h

Rua Afonso Zampol, 41 - Centro

Telefone: (11) 4824-3025

Comente aqui